segunda-feira, 31 de julho de 2017

Dôdekatópos - As Doze Casas (Excerto)

Bouché-Leclercq, A., L'Astrologie Grecque.
Paris: Ernest Leroux, 1899, p. 280, Figura 31.

Doroteu de Sidon
Acerca da Distinção das Casas

Os bons lugares, de acordo com a sua importância, são os seguintes: o primeiro é o Horóscopo, o segundo, o Meio do Céu, o terceiro, o Bom Espírito, o quarto, a Boa Fortuna, depois destes, o Descendente, o Baixo Meio do Céu e, por último, o nono designado como Deus. Estes são os bons lugares. Os maus lugares são o segundo, o terceiro a contar do Horóscopo e o oitavo. Os restantes dois, o sexto e o décimo segundo, são os piores.

Doroteu de Sidon, Carmen Astrologicum, Fragmenta Graeca et Latina, I 5, 1-5.

Vétio Valente
O Nome das Casas

De facto, Deus indica o signo do lugar do pai, a Deusa, o da mãe, o Bom Espírito, o das crianças, a Boa Fortuna, o do casamento, o Mau Espírito, o dos sofrimentos, a Má Fortuna, o das ofensas, a Parte da Fortuna e o Horóscopo, o da vida e do viver, o Espírito, o do intelecto, o Meio do Céu, o das acções, Eros, o do desejo, e a Necessidade, o dos inimigos.

Vétio Valente, Antologia, II, Capítulo 15.

Traduções do Grego RMdF

Comentário

  As casas, na astrologia helenista, têm uma importância basilar, embora nem sempre explícita, pois as casas, bem como as partes, representam o espaço na linguagem astrológica. Ora é a união, a afinidade simbólica, entre tempo e espaço que fazem da astrologia uma representação do mundo, uma imagem da realidade. A astrologia revela-se assim como um holismo antropológico que resulta não da mera observação dos fenómenos, mas sim da criação e apreensão do sentido que deles provém. No sistema astrológico, o sentido não se fixa no movimento dos astros, mas sim no olhar humano, na sua percepção do valor íntimo do universo, da realidade. A astrologia é uma linguagem, porque a sua génese surge como um acto puro e inaugural de interpretação. 

  O espaço e o tempo são para a astrologia duas matrizes essenciais que adquiriram um carácter electivo. O astrólogo fixa-se num lugar e num momento e confere-lhes um valor singular, uma natureza distinta. Esta especificidade espacial e temporal é o verdadeiro objecto da astrologia e a sua busca, a sua sugestão interpretativa, surge como um propósito existencial de compreender a realidade. As casas são um exemplo dessa demanda pelo sentido. Se o Ascendente é o marcador da hora, o promotor do tempo electivo, as casas que a partir dele se estabelecem são uma construção que advém de um princípio espacial.  Mais uma vez, é a dinâmica que surge das palavras que potencia o alcance do seu significado. Em grego, a palavra para casa astrológica é tópos que, na verdade, não quer dizer casa, mas sim lugar, pois a casa, oikos, tem, em astrologia, o sentido de domicílio, de regente. Ora o conceito de tópos confirma esse carácter espacial, o que não aconteceria de igual forma se fosse utilizada a palavra oikos, uma vez que esta firma-se no sentido de posse ou poder. A casa de alguém é o seu domínio. O termo tópos, à semelhança do que vemos, por exemplo, na palavra topografia, que dele deriva, é o marcador do lugar. Os dois autores, dignos de nota, que escreveram em latim diferem, por vezes, quanto ao termo utilizado. Fírmico Materno usa, por norma, o termo locus que tem o mesmo sentido de tópos, mas Manílio recorre também a templum e, neste sentido, confirma o seu carácter electivo, pois o templo é um lugar, um espaço, de eleição. O sagrado, a unicidade do espaço eleito, faz com que adquira uma singularidade que o separa do comum, do profano. Em astrologia, as casas são sempre lugares de eleição.

  A escolha dos dois textos aqui apresentados e traduzidos baseou-se num critério de síntese e não de extensão ou desenvolvimento. Se o objectivo fosse analisar as casas e o significado dos planetas que nelas recaem, então Fírmico Materno ou Paulo de Alexandria seriam uma escolha mais acertada, pois ambos concedem um texto mais extenso à questão das casas. No entanto, o propósito aqui era a síntese e o elencar das múltiplas formas como a astrologia antiga abordou o tema das casas e, neste sentido, a junção dos dois textos serve esse propósito. O texto de Doroteu é o mais antigo e, embora figure na tradução persa-árabe (I, 5), preferimos recorrer ao fragmento conservado por Heféstion de Tebas, visto que não só é mais antigo como foi escrito em grego. Na versão que reúne as traduções de Omar Tiberiades (c.800 E.C.) e Māshā'allāh (versão fragmentária de 770 E.C.), feitas a partir da tradução pahlavi do século III E.C., encontramos também a seguinte passagem: "Conheça-se as casas dos planetas: Caranguejo é a casa da Lua, Leão é  a casa do Sol, Capricórnio e Aquário são as casas de Saturno, Sagitário e Peixes são as casas de Júpiter, Carneiro e Escorpião são as casas de Marte, Touro e Balança são as casas de Vénus e Gémeos e Virgem são de Mercúrio" (I, 1, 8-9, traduzido a partir da tradução inglesa de David Pingree). O problema deste texto é que refere a regência dos planetas, os lugares de poder, e não as casas, os lugares electivos. 

  As casas, tal como vemos no texto de Doroteu, representam a apreensão do espaço cósmico pelo olhar humano. Não existem aqui abstracções sem um suporte sensorial. As casas traduzem a percepção. O Ascendente é o lugar onde o Sol nasce, logo onde a vida nasce, o Meio do Céu, o culminar do seu movimento, o zénite, o Descendente, o lugar onde se põe, o ocaso, e o Fundo Céu, o seu lugar subterrâneo. As restantes casas, sucedentes e cadentes, resultam da forma como se relacionam com as casas angulares. Ora, a partir destes conceitos primordiais, a astrologia antiga conciliou o movimento dos planetas nas constelações da eclíptica com o movimento diário de rotação da terra sobre o seu eixo. O sistema que daí resultou não se sustenta nem na astronomia, nem na matemática, embora a elas recorra, mas sim numa gnosiologia que, a partir da percepção, reúne duas concepções, cosmológica e antropológica. A astrologia é assim uma linguagem da relação entre o humano e o universo, o que justifica o geocentrismo, pois os seres humanos habitam lugares na Terra. Quando e se vivermos noutro planeta, o referencial será outro e a astrologia adaptar-se-á. O texto de Doroteu, para além de nomear e enumerar, de dar nome e número, aplica às doze casas uma graduação de valor. Segundo Doroteu, as casas dividem-se em quatro partes: dois grupos de casas boas, a I, a X, a XI e a V e a VII, a IV e a IX; as casas más, a II, a III e a VIII, e as casas piores, a VI e a XII. Esta ideia de estrutura e valor permite que se estabeleça uma relação com o outro texto apresentado. 

  Vétio Valente nasceu em Antioquia e foi contemporâneo de Ptolomeu, embora mais novo que este. Na sua obra Antologia, criou um sistema de astrologia prática que, em certa medida, se contrapõe à teoria astrológica de Ptolomeu, não pela distinção radical dos conceitos, mas sim pelo modo como a astrologia seria aplicada. O modelo de Valente é pragmático e o de Ptolomeu, conceptual, o que é perceptível pelo facto de a Antologia de Valente apresentar cerca de cento e vinte e cinco mapas astrológicos, algo que não acontece no Tetrabiblos de Ptolomeu. Um outro factor onde os dois autores divergem é que Ptolomeu apresenta um sistema unificado de matriz aristotélica e Valente construiu um sistema plural, com o propósito de experimentar modelos e procedimentos, influenciado sobretudo pela ética estóica e por elementos neopitagóricos e de um platonismo tardio. A Antologia é hoje uma importante fonte dos fragmentos de Nechepso e Petosíris, contemplando também referências a Critodemo e a Trasilo. Em extensão, é a maior obra de astrologia antiga e, apesar do Tetrabiblos ter alcançado uma autoridade quase que incontestada, a sua leitura não deve ser negligenciada.

  O texto de Valente aqui traduzido, através das suas várias vertentes de análise, é mais rico que o de Doroteu. Numa leitura imediata, podemos destacar duas linhas de estudo: a primeira, reside na estrutura das casas e, a segunda, permite a associação entre a casa e aquilo que ela indica. Existem oito casas de natureza idêntica à de outros autores (I, III, V, VI, IX, X, XI e XII), constituindo assim o octotópos, uma versão alternativa ao dôdekatópos, cuja estrutura é apresentada no Livro IV, Capítulo 12. Uma conclusão precipitada poderia considerar que a estrutura de oito casas é anterior e que se desenvolverá para um modelo mais completo, o das doze casas, porém, basta ler-se um dos fragmentos de Antíoco de Atenas, que viveu provavelmente no final do século II E.C., para se concluir que as duas divisões de casas existiram em paralelo (CCAG, 8, III, 116-32 a 117-27). O octotópos seria provavelmente um modelo sintético de análise astrológica, que verteria os períodos de tempo que compõem o dia em porções de espaço, lugares. No entanto, o capítulo de Valente, como seu próprio título indica, Nome das Casas, enumera, em conjunto, o nome de oito casas e de quatro partes. As casas, seguindo a ordem de Valente, são o Deus (IX), a Deusa (III), o Bom Espírito (XI), a Boa Fortuna (V), o Mau Espírito (XII), a Má Fortuna (VI), o Horóscopo (I) e o Meio do Céu (X). De fora, ficaram as casas II, IV, VII e VIII, todavia, em sua substituição, Valente colocou as seguintes partes: a Fortuna, identificada como semelhante ao Horóscopo, o Espírito, Eros e a Necessidade.

  No nosso artigo As Partes Herméticas a partir de Paulo de Alexandria, a natureza das partes é abordada em maior detalhe, todavia existem aqui dois aspectos a considerar: a natureza espacial tanto das casas como das partes e as partes como marcadores das casas. O primeiro aspecto é, uma vez mais, explicado pela etimologia, pois tanto tópos, casa, como kléros, parte, determinam lugares e a distinção é estabelecida sobretudo por um critério quantitativo. É número de moirai, de graus, que define esse lugar, fazendo com que o tempo, estabelecido pelo destino, se conjugue com o espaço. Uma parte é um lugar que resulta de um cálculo  (A+B-C), o qual indica a moira correspondente, o grau electivo. Já a casa e o número de moirai são determinados pelo sistema de divisão de casas utilizado. Se se usar o sistema de casa-signo ou de casa inteira, esse número será sempre de 30 graus, mas se for utilizado um sistema dinâmico de casas, como o de casa-quadrante, também conhecido por Porfírio, esse número de graus será variável. A variação de modelos ou até mesmo a hipótese de se interligarem, por exemplo, ao modelo de casa-signo podemos sobrepor o de casa-quadrante, prova que o sistema de divisão de casas não tinha na Antiguidade uma estrutura fixa e predeterminada. 

  Ora marcação e divisão das casas conduz-nos ao outro aspecto: as partes como marcadores de casas. A astrologia contemporânea tende a ver as doze casas como uma estrutura estanque, contudo, a astrologia grega via nas casas uma estrutura dinâmica, daí que, por exemplo, utilizasse outros elementos como Ascendente. A Parte da Fortuna, uma vez que era considerada como o Ascendente da Lua, podia servir de Horóscopo, bem como o Meio do Céu, sobretudo quando se procurava as acções, os benefícios e a glória. A ideia das partes como marcadores de casas, leia-se cúspides, ainda hoje levanta algumas dúvidas, todavia, o método de contar a partir delas era uma prática comum. Valente propõe que se contem onze casas, de trinta graus cada, a partir da Fortuna e, nesse lugar, encontrar-se-á bens, fortuna e propriedades, bem como todo o tipo de aquisições (II, 21). Propõe também o mesmo procedimento, de contar a partir das partes, para as outras três, o Espírito, Eros e a Necessidade (IV, 11). Esta prática caiu em desuso, mas seu potencial permanece intacto.

  O dôdekatópos surge pela primeira vez, pelo menos de um modo sistemático, na obra Pínax, ou Tabela, de Trasilo de Mendes (CCAG, 8, III, 99-101), o astrólogo do Imperador Tibério. Em termos cronológicos, também se deveria colocar Marco Manílio a par de Trasilo, porém a autenticidade temporal da obra de Manílio levanta algumas dúvidas. Este não é  referido ou citado por nenhum autor da Antiguidade. Contrariamente, alguns defendem que a obra de Manílio, sobretudo o Livro V, influenciou Fírmico Materno, confirmando assim a sua autenticidade. No entanto, no que ao tema das casas concerne, a questão não é essa, mas sim a divergência total do modelo do dódekatópos de Manílio face ao dos outros autores, tanto no nome e atribuição das casas, como na sua regência (Astronomica, II, 788-967). Desta forma, o modelo de Trasilo é o mais consistente. O seu dôdekatópos segue as tradições anteriores, pois, por um lado, a regência dos lugares segue a herança de Nechepso e Petosíris e, por outro, a estrutura e o nome das casas segue a herança de Hermes Trimegisto. Quanto à regência, se traçarmos a linha do horizonte, que vai do Horóscopo ao Descendente, separamos a unidade em dois segmentos: o superior que rege o Dia e é de natureza Masculina e o inferior que rege a Noite e é de natureza Feminina. O hemisfério superior é governado pelo Sol e o inferior, pela Lua. O Sol ocupa a terceira casa a partir do Descendente e a Lua, a terceira a partir do Horóscopo. Ao Sol segue-se Júpiter e Saturno, residindo, respectivamente, nas casas XI e XII. Já à Lua segue-se Vénus e Marte, ocupando as casas V e VI. Desta forma, a Lua opõe-se ao Sol, Vénus, a Júpiter e Marte, a Saturno. De fora fica Mercúrio que partilha a Noite e o Dia, o Feminino e o Masculino, e reside no lugar do Horóscopo. 

 Segundo Trasilo e reportando-se a Hermes, o nome e a sequência das casas são os seguintes: Horóscopo (1), Pós-Ascensão (2), Nome Omitido (3), Anti-Meio-do-Céu ou Ponto Subterrâneo (4), Boa Fortuna (5), Má Fortuna (6), Descendente ou zôidion poente (7),  Pós-Descendente (8), Nome Omitido (9), Meio do Céu (10), Bom Espírito (11) e Mau Espírito ou Declínio do Horóscopo (12). O nome da terceira e nona casas não é indicado, todavia, a regência respectiva da Lua e do Sol aponta para a designação tradicional de Deusa e de Deus. Trasilo inaugura também a tradição de dividir as casas em três conjuntos de quatro, as quais designamos hoje como angulares, sucedentes e cadentes. O termo grego kéntron indica uma ponto cardinal na eclíptica e uma casa angular. O Horóscopo, que Trasilo define como Ascensão (anaphorá) e Ascendente (anatéllon), é o primeiro destes pontos, o qual se opõe diametralmente ao Descendente ou Ponto Poente, também conhecido como Ocaso. Os outros pontos fazem com o Horóscopo dois ângulos rectos: à direita e no plano superior, temos o Meio do Céu, o Zénite, e, à esquerda e no plano inferior, o Anti-Meio-do-Céu ou Ponto Subterrâneo. Depois dos Pontos Cardeais, Trasilo diz que existem quatro Pré-Ascensões e quatro Declínios. O termo grego para Pré-Ascensão é epanaphorá e designa as casas II, V, VII e XI. Por fim, a palavra grega para Declínio é apóklima e diz respeito às casas III, VI, IX e XII. Destas, as casas III e IX são consideradas um Bom Declínio (agathón apóklima), visto que fazem aspectos benéficos ao Horóscopo. A casa III faz um sextil e a IX, um trígono. Existe também um grupo, formado pelas casas II, VI, VII e XII, que é o das casas inactivas (argoí tópoi), uma vez que não fazem qualquer aspecto ao Horóscopo (leia-se sextil, quadratura, trígono ou oposição).

  Manílio diz que "Prevalece assim a natureza do lugar, que administra as leis / nos seus próprios domínios e, ao passarem por si, força-os / à sua vontade, a uns enriquece com benefícios vários, / a outros anuncia o castigo de uma casa estéril" (II, 860-3, tradução do latim: vincit enim natura loci legesque ministrat / finibus in proprii et praetereuntia cogit / esse sui moris, vario nunc ditia honore, / nunc sterilis poenam referentia sidera sedis). Esta ideia é a base da importância das casas, visto que os elementos que sobre elas caem, sejam eles os signos ou  os planetas, adquirem a sua natureza e transfiguram a sua influência. Ora o valor das casas conduz-nos à questão de compreender a relativa ausência das casas no Tetrabiblos de Ptolomeu. Nos livros I e II, à excepção de algumas relações específicas entre um planeta e uma casa, Ptolomeu não aborda este temática e nos livros seguintes as referências são esporádicas. Não encontramos neste autor nem a descrição do dódekatrópos como a que vemos em Trasilo, Manílio, Doroteu, Valente, Antíoco ou Heféstion, nem o modelo explanatório da natureza das casas e da sua relação com os planetas como observamos em Paulo de Alexandria ou Fírmico Materno. Ptolomeu desvaloriza as casas, todavia afirma que "Quando eles (os planetas dominantes) estão a ascender ou angulares, as acções que geram são independentes  (authentikás), mas se estiverem a descender ou em declínio, tornam-se subordinados (hypotaktikás)" (IV, 4, tradução do grego). A questão de Ptolomeu não reside no valor das casas em sentido restrito, pois era comummente aceite, o que poderia levá-lo a não ter necessidade de o mencionar, mas sim na natureza das casas. Para Ptolomeu, as casas apresentavam um problema filosófico, uma vez que, embora a sua estrutura e desenvolvimento seja de natureza espacial, a sua origem é temporal e isto implica encontrar um elo de ligação entre espaço e tempo, que tanto tende a minorar a sua aplicação, como a reforçá-la. Desta forma, Ptolomeu preferiu seguir a tradição sem enunciar o problema. Em sentido oposto, grande parte da astrologia que a ele se seguiu reafirmou o carácter espacial das casas e sua afinidade íntima com o tempo e os seus ciclos, ou seja, tentou-se conciliar o sistema astrológico sideral com o tropical.

(...)

Fim do Excerto
De seguida, analisar-se-á cada casa de forma isolada, 
bem como a forma como se relaciona com as restantes


Bibliografia Cronológica

Século I A.E.C - Século I E.C.
Marco Manílio (c.10 E.C.)
M. Manilii Astronomica, Ed. George P. Goold. Leipzig: B.G. Teubner, 1985, II, 788-967.
Trasilo de Mendes (M. 36 E.C)
Cumont, F. (Ed.), Catalogus Codicum Astrologorum Graecorum, Vol. 8, Codicum Parisinorum, Parte III, Bruxelas, 1912, 101, 16-30.

Século I E.C.
Doroteu de Sidon (c.75 E.C.)
Dorothei Sidonii Carmen Astrologicum, Ed. David Pingree. Leipzig: Teubner, 1976, p.325.

Século II E.C.
Claúdio Ptolomeu (c.100-c.170 E.C.)
Claudii Ptolemaei opera quae exstant omnia, Vol. 3, 1, Apotelesmatika, Ed. Wolfgang Hübner. Estugarda e Leipzig, B. G. Teubner, 1998, III, 4 e 11 e IV, 4-8.
Vétio Valente (08/02/120-c.175 E.C)
Vettii Valentis Antiocheni Anthologiarium Libri Novem, Ed. David Pingree, Leipzig, Teubner, 1986, II, 15 e IV, 12.
Antíoco de Atenas (Fim do Século II E.C.)
Cumont, F. (Ed.), Catalogus Codicum Astrologorum Graecorum, Vol. 8, Codicum Parisinorum, Parte III, Bruxelas, 1912, 116, 32- 117, 27.

Século IV E.C.
Júlio Fírmico Materno (c.350 E.C.)
Iulii Firmici Materni Matheseos Libri VIII, 2Volumes. Ed. W. Kroll e F. Skutsch. Leipzig: B.G. Teubner, 1897-1913, II, 14-20.
Paulo de Alexandria (c.378 E.C.)
Pauli Alexandrini Elementa Apotelesmatica, Ed. E. Boer, Leipzig, B.G. Teubner, 1958, Capítulo 24, pp. 53-72.

Séculos IV - V E.C.
Heféstion de Tebas (N 26 /11/380 e fl. c.415 E.C)
Hephaestionis Thebani Apotelesmaticorum Libri Tres, 2 Volumes, Ed. David Pingree. Leipzig: B.G. Teubner, 1973-74, Vol. I, I casas, 12, 1-2.

Sem comentários:

Enviar um comentário